História do André Luiz Abrantes

Salve pessoas, tudo bom?

Eu me chamo André Luiz Abrantes, sou natural de São Paulo capital, sou casado, minha esposa se chama Fernanda, também da capital . Ainda não temos filhos, tenho 42 anos de idade, e desde “sempre” tenho um sonho, conhecer Portugal… a aldeia onde nasceu meu avô, a Póvoa de Cervães em Viseu.

Bom, minha história começa na zona Leste de São Paulo na Vila Talarico, onde fui criado pelos meus avós paternos. O meu avô português e minha avó também neta de portugueses, receita perfeita para a casa estar sempre abarrotada de primos lusitanos, gritaria, barulhos, correria, muita comida boa, era perfeito.

 

Aos doze anos meu herói veio a falecer, meu avô se foi… Esse momento foi difícil, pois houve um distanciamento do parentes dele, perdemos um pouco da “liga” que unia a todos , uma vez que meu avô era o irmão mais velho, e logo, os mais novos o respeitavam quase como um pai. Mas creio que sou o que sou hoje, por ter tido a oportunidade a sorte de ter o avô que tive, e queria saber mais dele, de onde veio, como era a casa onde nasceu, a rua em que cresceu, o povoado em si. Esse foi o exato momento onde surgiu em mim essa vontade de um dia conhecer as origens, porém era um sonho distante, quase utópico.

O tempo passou, eu cresci, namorei e noivei com a Fernanda, nessa altura as prioridades eram outras, eu tinha meu próprio negócio, uma pequena oficina de restauração de móveis, e meu irmão mais velho, o Anderson , era meu sócio e essa é a minha área de atuação desde os treze anos.

Ao início dos anos de 1999, com aquelas quebras de bolsas em São Paulo, Nova York, na China e Argentina… ufa ninguém merece, meu irmão resolveu migrar para o interior, para a cidade de Lorena em São Paulo. Tentei manter a empresa por mais um tempo, mas ficou insustentável. Isso resultou no encerramento de minha pequena restauradora de móveis. Mudei de ramo, o que era “hobby” passou a ser profissão, eu adorava carros, como todo homem, e aos finais de semana era de uma feira de carros a outra, sem comprar ou vender, só apreciando. Comecei nos anos de 2001 a trabalhar com vistoria prévia para uma seguradora, durante 3 anos foi só murro em ponta de faca, torcia para que não furasse um pneu do carro, pois não teria grana para arrumar.

Meu irmão por sua vez vivia me convidando para morar com ele, a esposa e meu sobrinho, na virada do ano de 2003 para 2004 resolvi tentar a vida no interior. Foi a melhor coisa que fiz na vida, em 5 meses estava trabalhando, me casei com a Fernanda em fevereiro de 2005 e a trouxe para morar comigo em Lorena, tivemos motos “tops”, viajávamos todo fim de semana, compramos nossa casa, e fiquei nessa empresa por doze anos. Porém com a crise que se intensificou aqui no Brasil em 2015 misturada com uma má gestão, chegou um momento em que não mais me sentia confortável na empresa, e decidi que era hora de sair.

Mas como uma situação leva a outra, eu “aproveitei” o fato de ter ficado desempregado em dezembro de 2015, e voltei a pensar muito em Portugal, retomei minhas pesquisas a respeito da Póvoa, sua história, suas gentes, como eles dizem.

Ao início do ano de 2016 eu estava certo do que queria… Eu quero ir embora daqui, quero ir morar em Portugal, tive medo de falar para minha esposa, pois ela é muito ligada aos parentes em São Paulo, mas para minha surpresa, mais uma vez, ela me deu a maior força. Em abril dei entrada na minha dupla cidadania, e enquanto o processo rolava no consulado, pesquisamos empresas na minha área em Portugal, enviamos alguns C.V.s e… pronto! Surgiu uma oportunidade de emprego e está me aguardando desde agosto. Agora chegou o momento, escrevo isso no dia 16/01/2017, passagem comprada para dia 18/01, um frio na barriga, uma nova fase, um novo desafio, minha maior tristeza é deixar minha esposa aqui, por enquanto, e dois dependentes que são meus cães a Kika e o Shneider, e esse está doente. Dizem que ele já sente minha partida, não duvido e escrevo com um nó na garganta. Mas faz parte, agora é chegar em Portugal de peito aberto, esperando me adaptar, fazendo acontecer para que tudo de certo. Estou criando um canal no youtube que se chama Diário de um imigrante para dividir minha experiência, vou compartilhar com vocês situações cotidianas desde minha partida de casa, com vídeos curtos em situações cotidianas, e até lá espero ter inspirado, nem que seja mais uma pessoa, a deixar sua zona de conforto, seu porto seguro e ir atrás de um sonho.

Até breve…

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s